18 dezembro 2007

31 agosto 2007

terra







fotos: iké | Agosto de 2007

fogo







fotos: iké | Agosto de 2007

ar







fotos: iké | Agosto de 2007

água







fotos: iké | Agosto de 2007

28 agosto 2007

O meu amor




O meu amor
Tem um jeito manso que é só seu
E que me deixa louca
Quando me beija a boca
A minha pele toda fica arrepiada
E me beija com calma e fundo
Até minh'alma se sentir beijada, ai

O meu amor
Tem um jeito manso que é só seu
Que rouba os meus sentidos
Viola os meus ouvidos
Com tantos segredos lindos e indecentes
Depois brinca comigo
Ri do meu umbigo
E me crava os dentes, ai

Eu sou sua menina, viu?
E ele é o meu rapaz
Meu corpo é testemunha
Do bem que ele me faz

O meu amor
Tem um jeito manso que é só seu
De me deixar maluca
Quando me roça a nuca
E quase me machuca com a barba malfeita
E de pousar as coxas entre as minhas coxas
Quando ele se deita, ai

O meu amor
Tem um jeito manso que é só seu
De me fazer rodeios
De me beijar os seios
Me beijar o ventre
E me deixar em brasa
Desfruta do meu corpo
Como se o meu corpo fosse a sua casa, ai

Eu sou sua menina, viu?
E ele é o meu rapaz
Meu corpo é testemunha
Do bem que ele me faz

O meu amor | Chico Buarque/1977-1978

27 agosto 2007

da ponta avista-se o cabo




foto: iké | Agosto de 2007

o vento da ponta




foto: iké | Agosto de 2007

Milagre


Não sei se é trágico
Morrer d’ amor. Sei que é

Possível. Eu já morri.
Mas também por amor,

Milagre maior,
Renasci.

Katia Andrade Simões | O Lugar Alado

zaragoza




foto: iké | Julho de 2007

geometria




foto: iké | Julho de 2007

zaragoza & geometria




foto: iké | Julho de 2007

29 junho 2007

matematicamente falando


Há um grupo de rotações que me anda a perturbar o sono...
Acreditem que é caso para dizer:
- Ai Jesus!!

26 junho 2007

Estória do gato e da lua




Estória do gato e da lua | Pedro Serrazina

22 junho 2007

[...]

apetece-me os dias virados ao contrário
onde tudo começa quando o dia está a acabar e tudo termina quando o dia está a começar, onde as folhas que passe pelos meus dedos sejam de livros bonitos e não de exames insípidos, onde as somas que faça sejam do número de moscatéis que já bebi e não das décimas que vou aproveitando aqui e ali na tentativa de chegar aos nove ponto cinco, onde os nomes que me venham à cabeça sejam familiares e não os de uma lista infernal e dispostos por ordem alfabética, onde o sono que sinta seja por falta dos dentes do siso e não por tudo aquilo que é sempre para fazer para ontem, onde coma por ter fome e não por precisar de me alimentar, onde o problema a resolver seja decidir o sítio para onde vamos a seguir e não a organização de tarefas rotineiras e estúpidas
preciso de respirar, preciso urgentemente de férias...

sentidos com sentido




gosto das tuas palavras, sinceras e precisas
gosto do teu olhar, meigo e familiar
gosto dos teus gestos, repentinos e libertos
gosto do teu cheiro, inebriante e prazenteiro
gosto do sabor a ti
e pareço tolinha, por descobrir
que é tão bom
gostar assim
de ti!


30 maio 2007

19 maio 2007

Inside and Out




01 maio 2007

30 abril 2007

30 de Março de 2007


Quem éramos nós há um mês atrás? Tu eras tu. Eu era eu. Tu chamaste-me. Eu fui. Trocámos tudo em troca de nada. Um nada fabuloso, cheio de tudo. Tu e eu agora somos nós. Não é fantástico? A maior das maravilhas, amor...

29 abril 2007

velha infância




Você é assim
Um sonho pra mim
E quando eu não te vejo

Eu penso em você
Desde o amanhecer
Até quando eu me deito

Eu gosto de você
E gosto de ficar com você
Meu riso é tão feliz contigo
O meu melhor amigo é o meu amor

E a gente canta
E a gente dança
E a gente não se cansa

De ser criança
Da gente brincar
Da nossa velha infância

Seus olhos meu clarão
Me guiam dentro da escuridão
Seus pés me abrem o caminho
Eu sigo e nunca me sinto só

Você é assim
Um sonho pra mim
Quero te encher de beijos

Eu penso em você
Desde o amanhecer
Até quando eu me deito

Eu gosto de você
E gosto de ficar com você
Meu riso é tão feliz contigo
O meu melhor amigo é o meu amor

E a gente canta
E a gente dança
E a gente não se cansa

De ser criança
Da gente brincar
Da nossa velha infância.

Arnaldo Antunes / Carlinhos Brown / Marisa Monte

11 abril 2007

m i m i n h o




06 abril 2007

q u e r e r

q u e r o o q u e r e r d e q u e r e r t e n h o o m e d o d o q u e r e r s i n t o a i n s e g u r a n ç a do q u e r e r s e i o s i g n i f i c a d o d o q u e r e r e m e s m o a s s i m q u e r o q u e r o q u e r o q u e r o – t e . . .

o amor é o amor


O amor é o amor – e depois?!
Vamos ficar os dois
a imaginar, a imaginar?...

O meu peito contra o teu peito,
cortando o mar, cortando o ar.
Num leito
há todo o espaço para amar!

Na nossa carne estamos
sem destino, sem medo, sem pudor,
e trocamos – somos um? somos dois? –
espírito e calor!

O amor é o amor – e depois?!

Alexandre O’Neill

03 abril 2007




31 março 2007

asas (eléctricas)


asas servem pra voar
para sonhar ou pra planar
visitar espreitar espiar
mil casas do ar

as asas não se vão cortar
asas são pra combater
num lugar infinito no vácuo
para respirar o ar

asas são pra proteger
te pintar não te esquecer
visitar-te olhar espreitar-te
bem alto do ar

e só quando quiseres pousar
da paixão que te roer
é um amor que vês nascer
sem prazo idade de acabar
não há leis para te prender
aconteça o que acontecer

mas só quando quiseres pousar
da paixão que te roer
é um amor novo que vês nascer
sem prazo idade de acabar

mas só quando quiseres pousar
da paixão que te roer
é um amor que vês nascer
sem prazo idade de acabar
não há leis para te prender
aconteça o que acontecer
não vejo leis pra te prender
aconteça o que acontecer
não há leis para te prender
aconteça o que acontecer...

Rui Reininho
[Gnr | popless]

20 março 2007

casa no campo

de Elis Regina

Eu quero uma casa no campo
Onde eu possa compor muitos rocks rurais
E tenha somente a certeza
Dos amigos do peito e nada mais

Eu quero uma casa no campo
Onde eu possa ficar no tamanho da paz
E tenha somente a certeza
Dos limites do corpo e nada mais

Eu quero carneiros e cabras pastando solenes
No meu jardim
Eu quero o silêncio das línguas cansadas
Eu quero a esperança de óculos
E um filho de cuca legal
Eu quero plantar e colher com a mão
A pimenta e o sal

Eu quero uma casa no campo
Do tamanho ideal, pau-a-pique e sapé
Onde eu possa plantar meus amigos
Meus discos e livros
e nada mais

(zé rodrix e tavinho, 1972)


[para ti minha linda]

Parabéns prima minha!


Primavera de 1989



Verão de 1988



19 março 2007

Acorda, menina linda


Acorda, menina linda
Vem oferecer
O teu sorriso ao dia
Que acabou de nascer
Anda ver que lindo presente
A aurora trouxe para te prendar
Uma coroa de brilhantes para iluminar
O teu cabelo revolto como o mar

Acorda, menina linda
Anda brincar
Que o Sol está lá fora à espera de te ouvir cantar
Acorda, menina linda
Vem oferecer
O teu sorriso ao dia
Que acabou de nascer

Porque terras de sonho andaste
Que Mundo te recebeu
Que monstro te meteu medo
Que anjo te protegeu
Quem foi o menino que o teu coração prendeu ?

Acorda, menina linda
Anda brincar
Que o Sol está lá fora à espera de te ouvir cantar
Acorda, menina linda
Vem oferecer
O teu sorriso ao dia
Que acabou de nascer

Anda a ver o gato vadio
À caça do pássaro cantor
Vem respirar o perfume
Das amendoeiras em flor
Salta da cama
Anda viver, meu amor

Acorda, menina linda
Vem oferecer
O teu sorriso ao dia
Que acabou de nascer

Jorge Palma

16 março 2007

Vem!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!


Vai um moscatelzito?



b o l a s!...


sei que já se sente
eu ainda não tive o prazer de a desfrutar...




:-(

dites 34






3 de Março de 2007

fotos: iké

escuridão


Para onde estão estes tolos a olhar? Está tudo escuro lá em cima...



afinal vê-se qualquer coisita a brilhar!



fotos: iké

08 março 2007

c




m




02 março 2007

Dites 34 | Aveiro


3 de Março, às 23h no Salão Nobre do Teatro Aveirense



rodobalho

Quarto-Minguante | Coimbra




26 fevereiro 2007

é k i




...s s e r t s o t i u m

01 fevereiro 2007

Quinta de Contos | 1 de Fevereiro | Ateneu de Coimbra


Lalaxu (Cabo Verde)

Mais uma quinta de contos organizada pela Camaleão!

É hoje às 22h no Ateneu de Coimbra.

Montanha Mágica | quinta-feira | 00h00-02h00


um programa de Daniel Abrunheiro.

Neste momento temos a oportunidade de seguir na Montanha Mágica! Aqui!

29 janeiro 2007

q u e a r d e




18 janeiro 2007

“Ó ti- ci, o mar é tanto!”



Ouvi em tempos a história da criança que vê o mar pela primeira vez e exclama: “Ó ti- ci, o mar é tanto!”. Tenho agora uma sensação idêntica ao observar os que me rodeiam, ao entregar-me a temas de conversa verdadeiramente interessantes e partilhar todas as emoções e sensações. Agrada-me encontrar nos outros afectividade, sinceridade e uma certa irreverência.

O mundo das emoções e sensações por vezes é tão perverso que não conseguimos sair da redoma que criamos à nossa volta. É bom voar de vez em quando...

foto: iké

15 janeiro 2007

João e Maria


Agora eu era o herói
E o meu cavalo só falava inglês
A noiva do cowboy
Era você, além das outras três
Eu enfrentava os batalhões
Os alemães e seus canhões
Guardava o meu bodoque
E ensaiava o rock para as matinês

Agora eu era o rei
Era o bedel e era também juiz
E pela minha lei
A gente era obrigado a ser feliz
E você era a princesa
Que eu fiz coroar
E era tão linda de se admirar
Que andava nua pelo meu país

Não, não fuja não
Finja que agora eu era o seu brinquedo
Eu era o seu pião
O seu bicho preferido
Vem, me dê a mão
A gente agora já não tinha medo
No tempo da maldade
Acho que a gente nem tinha nascido

Agora era fatal
Que o faz-de-conta terminasse assim
Pra lá desse quintal
Era uma noite que não tem mais fim
Pois você sumiu no mundo
Sem me avisar
E agora eu era um louco a perguntar
O que é que a vida vai fazer de mim

Chico Buarque



Passagem de Ano #10




Concerto dos Uxukalhus #5




14 janeiro 2007

Concerto dos Uxukalhus #4





fotos: iké

Concerto dos Uxukalhus #3








fotos: iké